Declaração

Posted on 10/07/2014 por

13


000g3gqk

Por Carol Szabadkai

Num final de semana, como outro qualquer, num almoço, como tantos outros que temos, eu, meu marido e meus dois filhos, de 5 e 7 anos, conversávamos sobre namoro.

Meu filho mais novo diz ter umas 10 namoradas na escolinha. Todas elas fazem desenhos pra eles, ele leva flores para elas… aquele namorinho ingênuo e puro de criança. Rimos muito com o jeitinho de conquistador deles. O mais velho está entrando na fase em que se afastam um pouco das meninas, mas ainda mantém uma ou duas que admira e que devemos pensar muito no presente pra levar à festa de aniversário (a última ganhou um diário e um vasinho de flores).

Eles começaram a falar sobre a idade que queriam se casar e o tipo de esposa, ríamos com os comentários e incentivávamos as boas visões sobre o assunto, corrigíamos as ideias não tão boas – como a de se casar com 10, porque gosta de tantas hoje – quando meu marido deu-lhes um conselho:

– Prestem atenção – disse ele – o mais importante a se procurar na pessoa que você escolhe pra viver a seu lado é que ela seja sua melhor amiga… além de ser apaixonado por ela, claro. – sorriu pra mim – Eu desejo que vocês encontrem alguém, assim como sua mãe é para mim. Se vocês encontram a pessoa certa, como eu, não deixem nada ficar no caminho, ultrapassem o obstáculo que for, porque se você está do lado dela, nada pode dar errado na vida.

Ao ouvir suas palavras sinceras e ver os olhinhos das crianças numa atenção incomum e extremamente concentrada, interessada, uma lágrima escorreu pelo meu rosto e um sorriso emotivo trouxe outras em questão de segundos, no silêncio repleto de significados que se fez.

Nada pode dar errado na vida, ele tem razão.

Naquela mesa estava tudo o que me importa e, mais uma vez, fui grata a todas as lutas do meu passado, todas as vezes que cometi “loucuras” para ultrapassar barreiras e concretizar esse amor maluco nosso, grata por todas as escolhas acertadas que me trouxeram aqui. Meu coração cresceu até que eu pudesse senti-lo fora do peito, pulsando naqueles três homens da minha vida.

E ali estavam todos os significados da palavra amor, em olhares felizes e minhas lágrimas. Um “obrigada” que nem precisou ser dito, pois que ele expressava o mesmo em sorrisos.

Bendita seja essa minha loucura, toda teimosia e a sorte de ter topado com alguém tão obcecado pelo romantismo quanto eu!

Anúncios
Posted in: Carol Szabadkai